Tag Archives: Ministério

Mariano Gago desafia os portugueses a estudarem mais, mas…

Este senhor, Ministro do Ensino Superior até tem alguma razão quando diz isto:

O ministro da Ciência e Tecnologia e do Ensino Superior, Mariano Gago, deixou hoje, no Porto, um desafio ao país: “É preciso estudar mais, é preciso voltar à escola, é preciso saber mais”. Isto porque, disse Mariano Gago, “todos sabemos que não basta abrir vagas, não basta organizar os cursos, não basta desenvolver o ensino à distância, tão atrasado ainda no nosso país. Não basta tudo isso que é essencial, é preciso mais”. Fonte: Jornal Público

Mas depois desce ao pais real e temos exemplos como este:

CRIDO DEÁRIO!

29 de Junho de 2009
paçei o 5º anuh. A p*ta da stora de mat, k é a nossa dt, n m kria deixar paçar pk eu tnh nega a td menus a ginástica, pk jogo bem há bola, e o crl… mas a gaija f*deu-se puke a ministra da idukaxão mandou dizer ao ppl k penxam q mandam aí nas xkolas masé pa baixarem os kornos k tds os socios com menos de 12 anus teiem de paçar… axu bem.

29 de Junho de 2010
passei o 6º anuh. ainda bem q ainda n fiz 13 anus, q ódpx podia n passar, qesta cena de passar com buéda negas é só até aos 12…f*da-se, fiquei buéda f*dido na m*rda deste ano, e ó c*ralho, o pan*leiro do stor d educassão física deu-me a m*rda do 2… assim tive nega a tudo… ainda bem q a ministra da iduqaxão é porreira, ela é qé uma sócia sbem: a xqola n serve pa nada, é uma seca. tive q aprender que os K’s se escrevem Q, qomo em “xqola” e não “xkola”, e que “passar” não é qom Ç… a xqola é porreira só pa qurtir qas damas qd gente se balda…

29 de Junho de 2011
Passei o 7º ano. Exte anuh ia chumbando pq tive nega a qase td menos a área de projetuh, mas aqela cena tb é facil, n se fax nd… Exte anuh a dt disseme q eu passava pq tinha aprendido qas fraxex qomexam qom letra maiúscula e pq m abituei a exqrever qom Q em vez de K, tipuh agora ja xei xqrever “eu qomo qogumelos qom quentruhs” em vez de “eu komo kogumelos kom kuentruhs”. É fixolas, pode xer qum dia venha a ser um gamela famôzo…

29 de Junho de 2013
Passei o 9º ano. Foi buéda fácil, pqu a prof paxou-me logo. Fui ao quadro xqurever uma sena em qu dezia tipuh “aquela janela”, e eu exqurevi “aqela janela”, pqu dixeram-me qu n se xkqureve “akela”, é quom Q e não quom K. Mas a profs desatinou quomiguh e dixe qu eu tnh qu pôr o U à frente do Q… Pur ixu exte anuh aprendi qu o Q leva U à frente. No próximuh anuh é o 10º, vou pá sequndária…

29 de Junho de 2014
Aquabei o 10º ano. Não foi muituh difícil só tive que aprender-mos a não exqureverem quom aberviaturas purque nem todas as palavras xe puderam aberviar mas ixtu foi uma bequa para o quompliquado purque quom esta sena do QU em vex de K e das aberviaturas exqueceramme de quomo é que se faxião os verbuhs nos tempuhs e nas pexoas, ou lá o que é… Mas a prof disse tass bem que no prócimo anuh a gente vê ixu.

29 de Junho de 2015
Passou o 11º ano. Foi mais fácil que o 10º. Aprendi que as frases devem ser mais qurtax. E aprendi também que “ano” não esqureve “anuh”. Axo que no prócimo ano vai ser mais difícil. Purque a xeguir é a faquldade.

29 de Junho de 2016
Acabou o 12º. Fiquei buéda confuso porque tive de aprender a diferenxa entre usar o QU e o C, tipo “esCrever” e não “esQUrever”. Quando eu usava o K era buéda mais fácil… A prof de português é buéda religiosa e anda a ouvir vozes de deus, porque dixe-me que eu não merexia passar, mas “xão ordens lá de xima”…

29 de Junho de 2017
Já fiz o primeiro ano da faculdade. Estou em ingenharia cevil na universidade lusófona. Tive um stor buéda mal iducado que me disse que eu era um ignorante porque às vezes escrevia com X em vez de CH, S ou C. Mas o meu pai veio cá com uma moca de rio maior e chegou-lhe a rôpa ao pelo. E depois fomos fazer queixa do gajo e a ministra despediu-o porque o gajo, não sei quê, parece que quis vir estragar aqui um muro nosso. Mas não sei essas senas. O meu pai é que me explicou uma cena qualquer de “danos murais”… O que é bom é que a ministra da iducação continua a mandar aqui nestes sócios da faculdade para eles não levantarem a garimpa contra nós.

29 de Junho de 2019
Acabei a minha licenciatura porque a ministra da iducação disse que tinhamos que passar sempre mesmo que não tivessemos notas, para não ficarmos astigmatizados. Acho que é uma cena que dá nos olhos quando se estuda muito. Agora vou fazer um mestrado e disseram-me que, quando acabar, vou ficar mestre. Eu quero ser de Kung-Fu.

29 de Junho de 2021
Já sou mestre. Afinal não sou de Kung Fu, sou de engenharia cevil. Os meus profs disseram que eu não devia estar em mestrado porque ainda não estava preparado, mas eu disse que o meu pai tinha uma moca de rio maior e que era amigo da ministra e já tinha mandado um bacano da laia deles para a rua e eles calaramsse. Agora vou fazer um doutoramento, porque a ministra da iducação diz que se não deixarem um aluno fazer o doutoramento só por causa das notas, ele fica com a auto-estima em baixo e isso perjudica a aprendizajem.

29 de Junho de 2023
Sou doutor. O meu orientador da tese ficou muito satisfeito porque eu já não dou erros ortográficos: ao longo destes dois anos, aprendi a escrever “engenharia civil” em vez de “ingenharia cevil” e também porque aprendi que a ministra é da “educação” e não da “iducação”, mas lê-se assim. Entretantos casei. A minha dama chama-se Sónia e os pais dela ficaram muito felizes por ela ir casar com um doutor em engenharia civil. Ela não sabe ler nem escrever: só fez até ao 2º ano da licenciatura e depois foi trabalhar para o Minipreço. Já tá grávida.

29 de Outubro de 2023
Nasceu o meu filho! Chamei-lhe Júnior porque ele é mais novo que eu.

29 de Agosto de 2029
O Júnior vai fazer 6 anos daqui a 2 meses. Devia entrar para a escola este ano, mas estive a pensar muito bem e não o vou pôr na escola. Ele não precisa daquilo para nada, aprende em casa. Eu ensino-lhe a ler, que sou doutor, e a mãe ensina-lhe a fazer contas, que é caixa no Minipreço. A escola não vale nada. Acho que o sistema de ensino hoje em dia é uma m*rda. No meu tempo é que era bom. Fonte: Peopleware fórum

Ou seja, é preocupante…


Ministra da Educação realça progresso dos alunos em matemática

Vá lá… pena que estes esforços só sejam vistos (ou ditos) em discursos de circunstância e que não se apoie realmente quem está no terreno.

Muito trabalho tem sido feito, nomeadamente com os planos da matemática para o ensino básico, mas penso que o que falta é um trabalho sistemático, não só no saber “operar” e no ensinar matemática como se fosse programação (dá-se um conjunto de fórmulas e passos pré-fabricados, coloca-se uma equação e os alunos repetem procedimentos para chegar a um resultado). É necessário também “pensar” matemática.

Um dos factos que eu constato (meramente empírico) é que os alunos chegam aos bancos da Universidades sem realmente “pensarem” matemática, mas sabem “resolver” equações. (Podem por vezes é não saber para que servem…).

Não há um trabalho continuado nas base e principalmente no raciocínio e na comunicação matemática.

Ministra da Educação realça progresso dos alunos em matemática.


Desta nem os gatos se lembravam…

Esta notícia estaria de certo numa colectânea dos melhores sketches dos “gatos fedorentos”, parece que estou a vê-los…


Ora aqui está uma ideia interessante…

Segundo esta notícia do Público o demógrafo Mário Leston Bandeira defende ideias mais realistas para este país.

Ver notícia completa Ensino universal e grátis a partir dos três anos faria mais pelo país do que TGV, diz demógrafo (fonte).


Que trapalhada…

O Governo alterou os prazos para as escolas aprovarem os instrumentos de registo e os indicadores de medida no âmbito da avaliação de desempenho dos professores e as datas para os docentes estabelecerem os objectivos individuais para os anos escolares 2007-2009.
De acordo com uma informação divulgada no site da Direcção Geral de Recursos Humanos da Educação (DGRHE), a contagem dos prazos definidos no artigo 34 do decreto que regulamenta a avaliação de desempenho dos professores inicia-se apenas quando forem divulgadas as recomendações do Conselho Cientifico para a Avaliação de Professores (CCAP). O decreto, publicado em Diário da República a 10 de Janeiro, estipulava que nos primeiros 20 dias úteis após a sua entrada em vigor as escolas deverão aprovar “os instrumentos de registo e os indicadores de medida”.

No entanto, o mesmo diploma refere que aqueles instrumentos de registo a aprovar pelos conselhos pedagógicos das escolas terão em conta “as recomendações formuladas pelo conselho científico para a avaliação de professores”. O prazo terminava a 08 de Fevereiro, mas ainda não são conhecidas as recomendações daquele órgão.

O site da Direcção Geral de Recursos Humanos da Educação esclarecia esta semana que “não existe qualquer atraso na formulação das recomendações”, pelo que “não se coloca a questão de alteração dos prazos definidos” no decreto que regulamenta a avaliação de desempenho.

“Reconhecendo que essas orientações poderão ser um contributo importante para as escolas elaborarem os instrumentos de registo, elas serão divulgadas tão rapidamente quanto possível”, lia-se ainda no site da DGRHE.

O diploma sobre a avaliação de desempenho dos professores definia ainda que 30 dias após a sua entrada em vigor, os professores teriam de estabelecer os objectivos individuais relativos aos anos escolares de 2007 a 2009. Agora, aquele prazo passa a contar no dia em que forem divulgadas as recomendações do CCAP.

No portal da DGRHE é agora anunciado que as fichas de avaliação dos docentes serão divulgadas na sexta-feira.
Esta semana, a Federação Nacional dos Professores (FENPROF) exigiu a suspensão do processo de avaliação de desempenho até ao final do ano lectivo, considerando que era impossível às escolas cumprir os prazos, já que “não se verificam as condições legalmente exigidas”.

Já a Federação Nacional dos Sindicatos da Educação (FNE) considerou que não estão reunidas as condições para a realização de uma avaliação de desempenho dos professores “séria e consistente”, classificando de “incompetentes” os serviços da tutela.

Em declarações aos jornalistas à margem da inauguração de uma escola em Almada na quarta-feira, a ministra da Educação garantiu que as escolas terão todas as condições para proceder à avaliação de desempenho dos professores já este ano lectivo.

“O que posso garantir é que as escolas terão todas as condições de conforto para fazer a avaliação dos seus professores. Já estão reunidas as condições, as escolas estão a trabalhar e far-se-á a relação entre os serviços do ministério da educação e as escolas”, referiu Maria de Lurdes Rodrigues.

Fonte: Agência Lusa e www.educare.pt